sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Blindagem de cozinha?!


Esta Fender Mexicana, chegou na Beluthier para receber um trato, limpeza geral, verificação elétrica, regulagem... enfim, começamos a trabalhar na Guita, quando de repente se ouviu uma gargalhada geral!
A blindagem foi feita com papel alumínio (estes de embalar sanduiche), e o aterramento de tachinha ( estas de mural de aviso), isto sem falar do escudo, que estava sem blindagem! Deplorável! No mínimo, uma Fender merecia algo mais digno!
Uma blindagem bem feita, deve usar folha de cobre e ser totalmente vedada e estanhada.
A própria tinta condutora à base de verniz e pó de grafite, não possui tanto poder de condutibilidade quanto o cobre.
Peço aos amigos e clientes que fiquem atentos aos "profissionais" luthiers, que não conhecem nada sobre a profissão.

32 comentários:

HellBoy disse...

Mais uma vez informacao é tudo. Se eu soubesse o que era uma blindagem de verdade nao tinha caido nessa! Abs! Valeu Bernardo!

Aldo Bueno disse...

Se o escudo estiver com papel alumínio ( como vem de fábrica nas Fender ) o resultado é perfeito, o aluminio é um bom condutor, ótimo isolante de interferências eletromagnéticas e de rádio-frequências .... o cobre oxida facilmente e pode ajudar a oxidar outras partes da guitarra, exatamente por isso que NENHUMA guitarra vem isolada com cobre e sim com alumínio ... muito cuidado com os ditos "Luthiers" que acham que manjam alguma coisa de eletrônica, pois aqui quem fala é um engenheiro eletrônico e fabricante de pedais de efeitos, que alias todos os melhores pedais do mundo são feitos em caixinhas de ALUMINIO que formam uma gaiola de Faraday perfeita e não sofrem interferencias ...

Beluthier disse...

Agradeço o seu comentário.
Gostaria de no entanto ressaltar que não apenas eu, mas a grande maioria dos guitarristas reclamam da blindagem dos modelos strato e tele, seja Fender ou qualquer outra marca.
Não questiono a sua formação nem o seu saber, aqui é um espaço democrático e de interesse profissional.
Quanto à oxidação do cobre, pode ser evitado com uma fina camada de PU, você deveria saber.
Como condutor, o alumínio perde tranquilamente para o cobre.
Não quero dizer com isso, que o alumínio não dê conta de resolver uma blindagem, mas continuo sendo adepto do cobre.
Não gostaria que minha guitarra fosse blindada com papel de cozinha, lata de refrigerante e nem com forra fogão.
Quero deixar bem claro que não sou contra o alumínio e sim contra o tipo de material empregado.
Quanto ao comentário dos pedais... não vejo nenhum problema, inclusive não estou julgando a qualidade dos seus.
Sabemos que existe um mercado que se mantém através de um custo benefício, existem pedais feitos até com lata de sardinha e funcionam.
Em relação à blindagem com papel alumínio de cozinha e aterramento de taxinhas, você tem todo o direito de gostar e usar.
Espero que você continue buscando fazer o melhor em seus pedais de efeitos.
Eu continuo fazendo o meu melhor em instrumentos musicais.
Quero deixar bem claro que o meu comentário anterior, foi pautado em pseudo profissionais Luthiers que existem por aí. Não sei se é o seu caso.
De qualquer forma, se estou aqui escrevendo para você é porque respeito a sua opinião.
Como VOCÊ DISSE que é "Engenheiro Eletrônico" e fabrica pedais, poderia então nos dar uma aula sobre o assunto? Seria legal até divulgar os seus pedais no Blog.
Quem sabe até, mostrar algum instrumento que você tenha fabricado.
Estamos ansiosos para conhecer o seu trabalho, deve ser de primeiro mundo.
Seja bem vindo!

Anônimo disse...

Nossa!

Acho que acabei de ver ilustrado um daqueles casos clássicos de "havia uma carapuça voando por aí que encontrou uma cabeça que bem lhe servia"...

Ao Aldo, o missivista irado, tão ofendido que ficou à primeira leitura superficial do texto, escapou completamente o sentido do que ali se falava. Na impossibilidade de fazer um desenho, vamos tentar explicar novamente, resumindo o texto do post original ao seu sentido central:

– Trabalho porco e mal-feito não é coisa de luthier. Entendeu?

O texto do Fernando fala de capricho e acabamento, não se o alumínio vai necessariamente funcionar ou não.

Infelizmente, alguns poucos anos estudando cálculo, física e outras matérias deram ao missivista irado um amontoado de boas informações teóricas e uma vontade danada de deitar falação tecnicamente perfeita por aí, mas...

O problema é que entre o sonho e a "lutheria" de verdade existem o aprendizado contínuo, um pouco de humildade e, principalmente, anos e anos de ralação. Só para ter o tempo de experiencia que o Bernardo tem como luthier o missivista irado precisaria cursar engenharia três vezes, sem trancar nem repetir matéria. Todo o conhecimento que se passa em qualquer curso, seja universitário ou até de lutheria, não serve sequer para lixar um pedaço de madeira decentemente, se não for adicionado um mínimo de capricho e muito, mas muito suor.

Realmente, Aldo já me convenci de que enquanto luthier você é um excelente engenheiro. Bastou uma visitinha na sua página do orkut, que me recuso a apontar aqui, porque nesse blog promove-se trabalho de alto nível, não emendas com fita crepe. Montar guitarras "frankenstein" usando partes prontas não faz de ninguém luthier. Um aviãozinho Revell escala 1:72 decerto exercita mais e melhor os neurônios e as habilidades manuais.

Aos outros leitores, atenção: cuidado para não cair na esparrela do "a minha solução é mais barata, rápida e funciona, devo ser um gênio por causa disso". O Brasil está coalhado de gênios e soluções geniais "que funcionam" feitas em casa, mas olhando com lupa elas são apenas isso: soluções caseiras. Impressionam numa roda de amigos ou numa feira escolar de ciências, mas o intuito é apenas mostrar "que funciona", para serem descartadas já na semana seguinte.

Tanto desejo de dominar o ofício de luthier, sem uma vontade sincera de se tornar um ser humano melhor, antes de qualquer outra coisa, vão fazer o missivista irado continuar anos e anos a fio convertendo verbo em substantivo:

– De tanto amar, um grande amador.

Platônico e patético.

G. Benedettini

Aldo Bueno disse...

Quanta babaquice ... já postei ali, se vocês não querem aceitar, problema de vocês, vão estudar ao invés de ficar "achando" ... se você um DIA estudar o básico de eletrônica, vai saber que por exemplo, você tanto riu do prego ou da tachinha, ambos são excelentes condutores assim como um parafuso, não faz diferença alguma ... numa blindagem o que importa é a FUNCIONALIDADE e durabilidade... se foi bem colocado, não vai soltar e acabar encostando em em algum componente e matando o som, é uma blindagem perfeita ... não sou luthier, são engenheiro eletrônico e fabricante de pedais, em guitarras e baixos eu só mexo na parte elétrica...

APRENDA, antes de se dizer profissional, por que um curso básico de eletrônica vc consegue até na internet... Não sou nem nunca serei Luthier ... se vc terminou até a primeira série e sabe LER, aquela guitarra eu estou montando pra um amigo meu que viu a minha e quis uma EVH também ...
Ponha-se no SEU lugar e aprenda sobre o SEU trabalho ... você vai ter um crescimeno profissional imenso ...

Richard Christopher disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Richard Christopher disse...

Eu e um amigo meu somos "totalmente" leigos em blindagem de guitarra e pedais. "Conseguimos" blindar uma guitarra, demos um trato na guita sem ter experiencia com um luthieria. Blindamos com papel de cozinha, e aparentemente deu certo. Mas queremos um toque sobre como podemos blindar o pedal. Temos um pedal da danelectro distorcion e sua estrutura é plastica (não é da melhor qualidade admito, mas o guitarrista da nossa banda gosta, mas não dispensa um boos au um marshal da vida) e queremos melhorar a sua capacidade sonora,porque,consequentemente chia dependendo da potência da distorção. Queremos minimizar esse chiado.
E ai, o que podemos fazer?
Obrigado pela atenção, espero anciosamente sua resposta e não zombe de nós por favor.
Richard(guitarrista e aprendiz de luthier) & Rafael(vocalista e aprendiz curioso em eletronica).

Beluthier disse...

A blindagem de cobre funciona muito bem, gosto de trabalhar com este material. O cobre pode ser estanhado, é muito condutivo e você consegue moldá-lo facilmente.
A folha poderá ter boa espeçura, talvez 5 décimos já resolva.
Talvez o chiado do pedal na distorção seja por outros fatores, que não tem relação com a blindagem.
É preciso que vocês vejam isso primeiro.
A blindagem elimina interferências externas.
Obrigado pela pergunta.
Sejam bem vindos!

Anônimo disse...

Pra uma Fender Mexicana, ta passando de bom rs...

Anônimo disse...

O que acontece aqui é uma "briga" natural entre hobbistas e profissionais... Óbvio que o cobre, em termos de funcionabilidade é muito superior ao alumínio, porém, o alumínio também é um elemento funcional e , em comparação com o cobre, é um custo-benefício compensatório, visto que a durabilidade do alumínio é MUITO maior que a do cobre (e ainda , a longo prazo, o cobre se torna um material tóxico)... o ponto forte do cobre é um acabamento superior, aderente a solda e ótima conduticvidade elétrica... o ponto fraco: investimento... fitas de cobre são caríssimas e, ainda por cima, é necessário aplicar spray anti-corrosivo para minimizar a ação da umidade sobre o mesmo. O alumínio é muito mais barato que o cobre, não necessita nenhuma proteção anti-corrosiva (pois ele mesmo cria um óxido impermeabilizante) e é funcional para a função de blindagem. o ponto fraco: É mais trabalhoso de se moldar e não adere a solda.

Aew parte de cada um... porém, acho ridículo querer ridicularizar alguém que tenha uma guitarra com blindagem humilde de alumínio de mercado... pois a mão de obra é MUITO MAIOR do que a sobre o manuseio do cobre, que é muito mais fácil de ser aplicado e moldado... eu tenho uma guitarra vagabunda strato, com 3 singles vagabundos... com blindagem singela de alumínio. Tenho uma guitarra com agudo preservado e sem a presença de chiados... óbvio que o "ronco" é característico de caps vagabundos, e é a única coisa existente (o que permanece em segundo plano enquanto se toca)... o que não atrapalha em nada o brilho. Enfim... só ví a forma como o mesmo colocou o comentário " e todos cairam na gargalhada" como opressão aos menos providos de poderio financeiro ^^... a opção do alumínio é sim uma solução de baixo custo, e se for bem feita pelo luthier que a fez, fazendo-se as alterações necessárias na parte elétrica para melhores resultados... não vejo motivo nenhu mde achar graça. ÓBVIO... um trabalho mal feito provoca risos mesmo... mas blindagem de alumínio é SIM uma opção de baixo custo, e uma opção totalmente FUNCIONAL. sem mais.

F.Bernardo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
F.Bernardo disse...

Agradeço o seu comentário.
Gostaria de ressaltar que o meu trabalho, bem como os dos nossos colaboradores, tem por objetivo alcançar os melhores resultados. Não fiz nenhuma crítica aos menos favorecidos, até porque é um engano achar que o cobre é um material tão caro a ponto de ser inviabilizado em seu uso. As fitas de cobre são uma fortuna mas, nada mais são do que cobre e adesivo. Comprando separadamente fica barato. Este trabalho de blindagem não precisa ser feito por um luthier, podendo ser realizado por qualquer profissional. Como sou um luthier que busca os melhores métodos e materiais para atender aos meus clientes, acabo tendo um cuidado com o meu trabalho e uma opinião diferente da maioria, principalmente por constatar que a qualidade também está ligada a maiores e melhoeres investimentos, sejam técnicos ou materiais.
Hoje em dia, qualquer construtor de guitarra se considera um luthier, o que é um grande engano, já que para ser luthier, é preciso domínio da construção de instrumentos acústicos, por razões óbvias.
As guitarras semi acústicas, os achtops, violões, mandolins, cavacos, cellos, violinos e etc, possuem na sua construção tantas similaridades quanto diferenças e somente um luthier poderá encontrar o melhor equilibrio entre as madeiras e técnicas para sua construção.
Você pode conseguir tocar em uma guitarra ruim, principalmente hoje, onde os emuladores podem imitar o que quiserem, mas não terá a mesma opinião quando tocar em um instrumento acústico ruim. Quero dizer também que para ser um luthier de qualidade, não basta ter dinheiro ou se dedicar, é preciso muito estudo e tempo de amadurecimento, o que a construção de instrumentos sólidos não traz para o todo da profissão.
É provável que vc toque em uma guitarra feita na china, por pessoas que nunca serão luthiers, elas participam de uma linha de produção, maquinada e que visa o número de peças e não a qualidade. Hoje em dia é muito comum, pessoas reproduzirem guitarras em cnc's caseiras, sem o menor conhecimento de Lutheria.
Para você, nossa gargalhada oprime os menos favorecidos e se parece com chacota, para mim, que vim da classe menos favorecida, representa uma divisão clara de opiniões e métodos. Conheço grande luthiers que não tinham nem o que comer na geladeira e não abriam mão de colocar uma tarracha alemã em seus instrumentos. Na vida tudo passa, basta que tentemos fazer o melhor sempre.
Como exemplo, posso fazer uma comparação entre carros de fórmula 1. A diferença entre o primeiro e o segundo se dá em milésimos e para alguns músicos profissionais, vale à pena investir mais pelo melhor. Existem violinistas que pagariam os investimentos de uma vida inteira por um bom Stradivarius, isso mostra o nível que um músico profissional almeja alcançar, quando busca um instrumento bem construído.
Nunca disse que o alumínio não poderia ser usado e quanto a ser mais fácil trabalhar com o cobre do que com o alumíno de cozinha e isso vai depender de quais espeçuras e tratamentos estamos falando, discordo totalmente.
Mais uma vez, respeito sua opinião e não me incomodo, são apenas visões diferentes para públicos diferentes.
Seja bem vindo.

Anônimo disse...

tenho uma strato com tres single-coils como faço para blindar? Eu mesmo
faço isso ou mando a um luthier oque e dificil pois na minha cidade nao tem nenhum

Anônimo disse...

Oh gente, achei interessante o papo sobre o material usado para blindagem, mas eu queria tirar uma dúvida e se alguém puder me dar uma mão eu agradeço, gastei um monte com blindagem, troquei os caps e mesmo assim essa @=%*#-! não para de chiar, depois desses comentários abri minha guita pra ver se não tinha nenhuma "Tachinha" no trabalho do menino kkkkkkkkkkk, GRAAAAÇAS a Deus não tem, voltei no kamarada que fez o serviço e ele disse que o problema era na pedaleira, mexeu, mexeu e nada, agora disse que é a fonte perdi a fé e não vou levar pra ele mexer na fonte, alguém pode me dar uma luz de como blindar uma fonte? Mas uma resposta que seja satisfatória porque todos os fóruns só dão "voltinhas" em torno da resposta e a gente fica na mesma, daqui a pouco ele me diz que tenho que trocar o "poste" lá de casa...
Se alguém puder me ajudar eu agradeço...

Ps. Parabéns pelo blog, aprendi muito aqui.

Bruno Lobão disse...

Anônimo: Meu conselho é:
Leva na Beluthier. Nesses casos tem que analizar tudo de cabo a rabo e ir eliminando uma por uma todas as fontes que possam gerar o "Hum"

Anônimo disse...

Tenho uma "Semi-Acústica Snake 1972" e quieria conselho para blindar semiacustica ....

René disse...

Acabei de comprar fita de cobre no ML... vou tentar blindar eu mesmo!
nao sabia desse spray anti-corrosivo, é facil de encontra-lo?

HYSUB disse...

Esse engenheiro ñ conhece nada de blindagens......o aluminio ñ é bom para blindagens eletromagnéticas coisissima nenhuma muito menos para radiofrequencia........aconselho a folha de Flandes que acredito ser mais barato q o cobre, e com CERTEZA é uma blindagem muito superior ao aluminio e ao proprio cobre, além de tb ser facilmente soldavel.
Qto ao spray....q tal um colorget?

Abraços a todos

PS:Alem de ser eng eletronico trabalho com robotica submarina e admiro os luthiers

elcio disse...

É uma briga de egos não é mesmo ?
Isso sim é motivo para risos.
KKKKKKKKKKKKKKKKKK
Parem com isso e ajudem os outros

elcio disse...

Isso não passa de uma briga de egos.
Isso é que é risível rsssssssssssss
Por que não ajudam quem pede informação ?

Igor França disse...

Então significa que, quanto maior o condutor, melhor será a blindagem?
Sim, a verdade é que o cobre é maior condutor que o alumínio. Mas, tratando-se de condutividade, encontrei no mercado "folha de prata". A prata é melhor condutor que o cobre, poderia assim tornar-se um material para melhor blindagem? E quanto a folha de ouro? Em escala, a ordem de maiores condutores é: 1° Prata; 2° Cobre; 3°Ouro; 4° Alumínio... Seria a Folha de Ouro uma boa opção, ou estabelecendo a regra de condutividade, este seria inferior ao cobre?

Prata é a melhor opção?

Anônimo disse...

Pff... Daqui a pouco vão querer blindar com cuspe ou diamante em pó, ou até com merda. Gente, deixem de ser babacas, blindagem é com cobre ou alumínio, ambas são eficientes. Se você tem grana compre cobre que custa basicamente R$50,00 por 3Mx6Cm tu blinda 2 guitarras tranquilo, se não tiver grana blinde com alumínio, o resto é conversa pra boi dormir.

Anônimo disse...

legal... o útlimo anônimo disse tudo.. é uma questão de grana...

E como é um fender... já sabem né?!...

Abs...

Bom blog!!

Profguitar disse...

Hehe...vou ser obrigado a dar um pitaco...rs.
Na minha humilde opiniao a condutividade do material nao o mais importante na historia ja que o que se tenta fazer na guitarra é criar um efeito conhecido como gaiola de faraday. faz-se dentro da guitarra um gabinete de metal e esse gabinete de metal que funciona como uma "blindagem eletrostatica", que protege os aparelhos sensíveis de interferencias eletricas externas. E para isso o aluminio presta-se a esse serviço de forma muito eficiente...até o metal faz isso e nao tem la grande condutividade porem é o que se usa nos gabinetes de pc pelo baixo custo, ou seja, pra que tanta condutividade se o que interessa é blindar o campo magnetico e nao apenas conduzir sinais eletricos? só para constar a maioria das blindagems na area de eletronica utiliza o aluminio para isso. Nao resta duvida de que o aluminio é excelente para blindar guitarras basta ver os zilhoes de videos no youtube demonstrando a sua eficiencia. Vale lembrar que é necessario um serviço bem feito ja que se for mal feito nem blindando com ouro, que é o melhor condutor existente, vai resolver o problema.

Abraçao a todo.

leo hellsguitar disse...

cara eu dei uma olhada em todos os comentários e vi que a galera ficou exaltada com a conversa e isso é legal , então conclui o seguinte ,se eu não tenho grana o alumínio e um paliativo , vou resolver a questão se usa lo , mas e claro que eu vou recomendar um profissional para fazer isso , sou musico a alguns anos todas as minha guitas são blindadas , algumas com cobre outras com alumínio as com alumínio e que não tinha mesmo grana kkk, mas no final funciona , o que a matéria quis dizer é que um bom profissional faz um trabalho limpo e de fato com o cobre é mais fácil trabalhar então se vc acha que não vai conseguir fazer chame um bom profissional ele esta lá para isso abraço e boas postagens !

Anjos das Ruas disse...

Obrigado pelo conhecimento repassado Beluthier! Aprecio muito seu trabalho!
Parabéns!

Mairon Rodrigues disse...

Eu me chamo Mairon. Fiquei bastante interessado com a dicussão a respeito da blindagem de uma guitarra. Tem muito pouco conhecimento sobre manutenção de violões e guitarras e, creio, que quando efetuamos alguma modificação em nossos instrumentos é porque buscamos aquele som ideal que está lá na nossa memória, esperando pra se tornar realidade. Eu me arrisco, eventualmente, a pequenas modificações em meus violões e guitarra. Eu queria, na verdade, perguntar a todos vocês, interessados e apaixonados que são como eu, qual o real objetivo de uma blindagem? Ela é realmente necessária? Quando, e como, identificar a necessidade de fazê-la? Quais são os "sintomas" que "informam" a necessidade de se fazer?

Anônimo disse...

meu Deus kkkkkkkkkk, olha galera o aldo esta certo em dizer que o aluminio é muito mais resistente que o cobre, este tem sua durabilidade afetada pelo tempo, ele muda de cor com aspecto esverdiado. Pelo o que entendi , quando o Aldo Bueno citou o aluminio ele quis dizer a Fita adesiva de aluminio, ate mesmo esse papel de aluminio resolve o probema de blindagem , o porem é que esteticamente fica horroroso, mais o que manda sera o aterramento feito por toda a guitarra. O nosso Amigo Beluthier tambem esta certissimo em dizer que prefere o cobre, pois sua condutividade não é qeu seja melhor que o aluminio, mais como isso vem de um longo tempo, nos acostumamos com blindagem de cobre, o problema do cobre como disse é sua vida util, quando ele começa a deteriorar os componentes que estão pertos acompanham essa mesma progressão, galera tanto a fita adesiva de aluminio quanto a de cobre são excelentes. Na minha opinião eu uso em todas as minhas guitarras FITA ADESIVA DE ALUMINIO. parabéns tanto ao aldo quanto beluthier que deram um aula gratis .

Jeronimo disse...

Comprei uma fender México em 2012 e já veio blindada com tinta condutiva e fita alumínio no escudo e posso afirmar que a tinta condutiva é muito eficiente para blindagem, caso contrário grandes marcas como a fender, ESP, LTD entre outras não usariam. Muitas vezes o ruído não nem falta de blindagem e sim falhas de aterramento. Não sou luthier mas trabalhei com eletrônica mais de 40 anos.

Wellington disse...

Olá pessoal. Estou vendo que o post tomou um rumo diferente do esperado para o leitor, mas ainda assim eu gostaria de contribuir com o post.
Eu sou guitarrista há 32 anos e engenheiro elétrico há 18.
Cobre e alumínio possuem a mesma condutividade. Na verdade não é possível verificar a diferença de condutividade entre os dois sem o uso de um equipamento especial chamado mili-ohmímetro, que consegue medir diferenças minúsculas de resistividade. É sabido que cada um tem seu ponto positivo e seu ponto negativo como já foi dito aqui no post. Porém, para blindagens dos meus instrumentos, eu dou preferência para o alumínio e vou explicar o motivo. O cobre realmente tem o problema de oxidação, que pode ser resolvido aplicando-se uma camada de spray protetor. O problema é que, ao fazer isto, você está cobrindo a camada de cobre com uma camada de verniz isolante. Isso diminui a condutividade do cobre com relação ao alumínio. Ok, o alumínio não pode ser soldado, mas no mercado existem conectores que podem ser parafusados para fazer o aterramento, com a mesma eficiência que teria por exemplo um amplificador que vem com o aterramento parafusado ao chassi.
Existe no mercado uma fita de cobre adesiva, que é tão fácil de se moldar quanto a de cobre e bem mais em conta. Espero ter contribuído. Abraços!

Wellington disse...

Só pra corrigir minha postagem anterior. No mercado existe uma fita de ALUMÍNIO adesiva, e não de COBRE como eu escrevi. Abraços!